Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

DEZ COISAS QUE NUNCA DEVE MANDAR PELA SANITA

Mäyjo, 29.01.17

fralda_SAPO

Todos sabemos que as toalhitas de bebé não devem ser atiradas pela sanita, mas existem outros produtos, objectos ou entidades alimentares que são encontradas, todos os anos, nos esgotos da cidade de Londres, Inglaterra.

 

Fique com uma lista de objectos mais – e menos – óbvios que não deve enviar, em nenhuma situação, pela sanita abaixo.

 

1.Gordura alimentar

Atirar gordura alimentar pela sanita abaixo é pôr-se em problemas – e às entidades gestoras das águas, também. Quando misturada com toalhitas de bebés e outros detritos, a gordura torna-se numa entidade quase indestrutível – a que os britânicos chamam Fatberg – provocando graves problemas nos nossos esgotos.

 

2.Preservativos

Não é fácil enviar um preservativo pelo esgoto abaixo, mas há muitas pessoas que o conseguem. Segundo Simon Evans, da Thames Water – que gere os esgotos de Londres – os preservativos podem ser vistos a boiar nos esgotos e têm de ser retirados à mão.

 

3.Animais de estimação

Não é brincadeira. Nos esgotos podem ser vistos peixes, atirados pelas pessoas que os compram e, depois, se fartam deles, mas também hamsters e ratos-do-deserto.

 

4.Fraldas

Se enviar um preservativo pela sanita é difícil, uma fralda é muito mais difícil. Ainda assim, há quem o consiga fazer.

 

5.Partes do corpo humano

Há bocados de dedos, dedos inteiros e até mãos nos esgotos de Londres.

 

6.Cotonetes e tampões

Ambos não se decompõem e podem formar bolas de algodão durante meses ou anos, bloqueando os esgotos. Depois, têm de ser retirados à mão.

 

7.Carros

Um dia, metade de um Mini foi retirada dos esgotos. É raro, mas aconteceu.

 

8.Tinta e resíduos de construção

A tinta é mais um produto que, claramente, não faz parte do esgoto nem do que vai pela sanita abaixo. Mas não é incomum lá aparecer.

 

9.Drogas

Sobretudo seringas, que para além de pouco higiénicas podem provocar graves lesões a quem anda pelos esgotos.

 

10.Comida

Se um pedaço de pão não causa problemas de maior, o mesmo não acontece se pedaços de osso ou até de um caroço de uma maçã forem enviados pela sanita.

 

Foto: Inga Munsinger Cotton / Creative Commons

WC descartável pode ajudar a cultivar alimentos nos países em desenvolvimento

Mäyjo, 23.12.14

WC descartável pode ajudar a cultivar alimentos nos países em desenvolvimento

É difícil imaginar algo tão desagradável como uma sanita que é utilizada para cultivar alimentos. Contudo, é exactamente isto que um arquitecto sueco pretende implementar nos países em desenvolvimento.

Anders Wilhelmson está a trabalhar no Peepoo, um saco descartável e biodegradável que funciona como sanita e fertilizante natural. A solução pode parecer grosseira, mas os WC improvisados onde as pessoas defecam para sacos de plástico e os atiram para o lixo é um problema grave que afecta as favelas urbanas de países subdesenvolvidos.

As Nações Unidas estimam que cerca de 2,6 mil milhões de pessoas, ou cerca de 40% da população mundial não tem acesso a casas de banho. Condições sanitárias impróprias contaminam a água potável e conduzem a problemas de saúde pública em grande escala, bem como a problemas ambientais.

O Peepoo é semelhante às sanitas descartáveis, mas muito mais ecológico. Depois de utilizar o saco biodegradável é possível selar a embalagem e enterra-la num local próximo. Uma camada de cristais de ureia elimina todos os agentes patogénicos passíveis de causar doenças e transforma a matéria orgânica em fertilizante para os solos. À medida que o saco se vai decompondo liberta detritos purificados para o solo, enriquecendo-o com nutrientes, escreve o Inhabitat.

Wilhelmson espera que os sacos possam custar cerca de dois cêntimos, preço comparável com o dos sacos de plástico.